InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 ELVENDORK, Rebecca

Ir em baixo 
AutorMensagem
Isis



Feminino Gémeos Cabra
Idade : 27
Mensagens : 2

MensagemAssunto: ELVENDORK, Rebecca   Sab Jul 02, 2011 2:32 am

FICHA

DADOS BÁSICOS
    Nome completo: Rebecca Swain Ellsworth, agora Rebecca Elvendork
    Apelido: Becky
    Data de nascimento: 15/05/1991
    Local de nascimento: Portland, OR, USA
    Estado civil: Casada
    Sexo: Feminino
    Raça: Nascida Trouxa
    Patrono: Inicialmente era um castor, mas foi modificado para um grande cachorro peludo, que acha que é tanto por causa de seu marido, que se transforma num cachorro, quanto por Lachtan, seu primeiro cachorro que morreu enquanto Becky estava grávida.
    Bicho-Papão: A própria casa em chamas.

    Varinha:
      Madeira Pilriteiro
      Tamanho 19 cm
      Flexibilidade Bastante flexível
      Cerne Pêlo de Unicórnio
      Especialidade Cura animal



FAMÍLIA
    Pai
    Nome: David Ellsworth
    História: Um engenheiro bastante reconhecido no que faz. Nasceu na verdade em New Jersey, mas, cansado da costa leste e sempre sonhando com a costa oeste americana, decidiu que conseguir entrar numa faculdade por lá seria a melhor opção. Rapidamente, foi aceito na OSU (Oregon State University), e, após alguma dificuldade com seus pais, acabou indo para lá, morando nos dormitórios da escola. Logo fez sucesso no time de futebol americano da escola, aumentando ainda mais sua bolsa. Por ser uma pequena estrela do time, acabou sendo bastante popular na faculdade. Por causa disso, foi para Dublin em desfile de St. Patrick, onde conheceu Abbie, uma encantadora garota irlandesa. Isso apenas ocorreu em seu terceiro ano, enquanto ela estava no primeiro. Começaram a se encontrar, e logo começariam um namoro que duraria um longo tempo distante. Ao término da faculdade de Abbie, os dois rapidamente se casaram, morando nos EUA. David sempre foi o estilo de pai que carregaria as filhas pra onde quer que fosse. Sempre presente, amigo e companheiro. Nunca se estressava, por absolutamente nada, e, se o fazia, apenas deixava aquela coisa de lado. Um pai compreensivo e um marido extremamente amoroso.

    Mãe
    Nome: Aberlard Swain Ellsworth.
    História: Uma publicitária que chegou a ser reconhecida internacionalmente pelo trabalho excepcional que faz. Morou sempre em subúrbios da Irlanda do Sul, ficando mais tempo morando em Wicklow que em qualquer outra cidade. Não foi realmente muito popular na escola, mas os professores a adoravam, pelo talento que tinha e demonstrava em suas elective classes e por como ela se dava perfeitamente bem com uma Tin Whistle nas aulas de música tradicional, enquanto metade da escola detestava. Com isso, não foi absolutamente nada difícil para Abbie conseguir uma bela bolsa na Trinity College e ir pra lá (mesmo que seus pais a preferiam ali mesmo em Wicklow), aliviada por ir junto a alguns de seus amigos, cujo com dois dividiu um pequeno apartamento. Ainda em seu
    primeiro ano conheceu David quando o mesmo foi desfilar na St. Patricks em Dublin com um grupo que participava e ela fazia parte da organização voluntária de eventos. De primeira o achava extremamente nojento, já que era o principal de seu grupo e ela tinha sido designada a trabalhar exatamente com este grupo e ele, interessado por ela desde o começo, gostava de perturba-la. Sua impressão foi provada ser totalmente errada, já que David na verdade era uma das pessoas mais encantadoras, otimistas e amigas que existiam. Durante algum tempo, apenas se encontraram, visto que David decidira passar um tempo a mais no lugar, mas após esse tempinho começaram um namoro, que terminou sendo um casamento completamente realizado e feliz.

    Irmã
    Nome: Brittany Swain Ellsworth/Brittany Zane
    História [insira link da britt aqui]


BIOGRAFIA
    Infância
      Nasceu exatamente meia hora após Brittany – pois estava entalada dentro de sua mãe. Mesmo com isso, estranhamente não teve nenhum problema de saúde. Pelo contrário, sempre se mostrou alguém extremamente saudável, que raramente ficava doente. Ela e Brit sempre se deram perfeitamente bem, e assim iam para a pequena escola em Portland, onde ficaram até aproximadamente o ensino fundamental – quando seu pai decidiu que iria construir uma casa para eles em Tigard. Foram dois anos de construção para que a casa ficasse exatamente no gosto engenheiro de David e publicitário de Abbie, mas, no final, a casa era simplesmente magnífica. Ao completarem 6 anos, já morando no subúrbio da cidade e indo pra escolas bem menores, surgiram os primeiros de sinais de magia, tanto nela quanto em Brit. Becky, num momento de raiva por causa do lápis de cor que ela queria usar e o colega não deixava, fez com que todos os lápis de cor da sala fossem voando em direção a ele, e, por causa do primeiro surto de Brittany, nada ocorreu. Sua irmã gêmea fez com que, de algum modo, os lápis não acertassem o garoto, e, após todos caírem no chão segundos antes de acertarem a criança, Brittany ainda virou e falou para a irmã “que feio, Becky”, como se fosse algo totalmente normal, voltando ao seu desenho segundos depois. A partir desse instante, novos pequenos surtos de magia começaram a ocorrer tanto nela quanto em Brittany. Seus pais, meio impressionados e sem realmente saber do que se tratavam, foram chamados diversas vezes na escola, até que decidiram que seria melhor se a família se mudasse dos EUA, indo agora pra Irlanda, país natal de Abbie. Agora na Irlanda, iam para uma escola bilingue, o que não foi problema já que a mãe sempre falara com elas em irlandês. No entanto, agora que precisavam usar uniformes, os odiavam completamente, desde a saia pregueada até as gravatinhas. Começaram a dançar Irish dance, assim como a mãe, e, aos poucos, os surtos de magia começaram a se afastar mais um dos outros.
      Ao completarem 11 anos, receberam suas cartas para Hogwarts. Os pais teimaram dizendo que era mentira e que era alguma brincadeira de uma de suas pestes. Apenas acreditaram e cederam quando um membro do Ministério da Magia decidiu ir até a casa deles e comprovar o que a carta dizia. Em setembro daquele ano, Becky foi pra Hogwarts com sua irmã.


    Juventude
      Pela primeira vez na vida, se viu distante de sua irmã, já que agora ela dormia em quartos da Grifinória e sua irmã em quartos da Corvinal. A partir de então, começaram a mudar de lugar mais ainda uma com a outra, sendo que Britt sabia a senha da grifinória e vivia respondendo à charada da corvinal para que elas pudessem trocar de lugar as vezes. Embora as casas tenham sido diferentes, continuaram super conectadas uma à outra, freqüentando várias classes iguais, estudando juntas e passando o mínimo de tempo possível em suas respectivas salas comunais. Os primeiros tempos foram um pouco difíceis para Becky, já que ela não conhecia absolutamente nada do mundo bruxo e tudo a assustava e fascinava. Sem contar a dificuldade que encontrava em tentar se relacionar com pessoas que já estavam muito mais acostumadas àquele mundo que ela. No entanto, isso foi mudando aos poucos e começou a se enturmar... Mais com os meninos que com as meninas, mas, ainda assim, se enturmar. Já no segundo ano, entrou para a equipe de quadribol como artilheira. O jogo virou quase uma paixão dela e fez com que ela fosse se soltando cada vez mais.
      No decorrer do tempo, acabou um tanto quanto encantada por Ethan Frymire, da mesma casa que a sua e do mesmo ano. No quarto ano, não demorou muito para que começassem um namoro que durou dois anos. A cumplicidade entre os dois era tanta que, ao conversarem e perceberem que o que sentiam já não era mais a mesma coisa, terminaram pacificamente. Meses mais tarde, já no sétimo ano, Becky chegaria a reclamar com ele de seus problemas amorosos. Problemas que foram realmente estressantes para a gêmea morena.
      Viveu uma espécie de triângulo amoroso entre David Creek e Orion Elvendork durante um bom tempo, até que de repente começou a namorar com Orion. Tal atitude provocou alguns meses de tensão, mas, com o final do ano letivo e o clima de despedida, tudo se acertou.

      Apesar do seu esforço fenomenal durante o sétimo ano, acabou não sendo aceita de primeira em CLAN para veterinária, devido à sua reprovação nos NOMs de Herbologia.



    Adulto
      Com a reprovação para CLAN, teve que ficar um ano fazendo uma espécie de curso apenas de herbologia. Morou com os pais nesse período e todos os dias ia via flu até a estufa na qual estudava. Como Orion estava viajando e Brittany acabou indo para a universidade, ficou um tanto quanto sozinha nesse tempo. No início, não se importava muito, chegando a dar um apoio imenso para que os dois fizessem realmente o que queriam. No decorrer do tempo, começou a surtar. Por mais que sempre visse Orion, seus ciúmes começaram a ficar insuportáveis e estava sempre desconfiada – de tudo e todos. Por causa dessa possessividade, ela e Orion conversaram e acabaram terminando. Devido à sua impossibilidade de conseguir ficar sozinha por muito tempo, teve um curto relacionamento de um mês e meio com um outro aluno de seu curso. Por incrível que pareça, o namoro foi terminado por ela simplesmente não conseguir gostar da pessoa. Levou o ano inteiro meio que na barriga, apenas conseguindo nota o suficiente para ser aceita em CLAN.
      Logo entrou na mesma República que Britt, Emily e Isabel, conhecendo Adèle lá. Não demorou pra voltar a se enturmar e voltar a conversar com qualquer pessoa que passasse ao seu redor. Voltava a ter paixão pelas coisas e raramente se via triste. Tinha momentos ruins por ainda sentir ciúmes de Orion ao vê-lo por aí e nunca chegou a esconder esse ciúmes. Também costumam ficar de vez em quando, num relacionamento meio vai-não-vai. David acabou indo para CLAN também nesse ano, depois de ter passado os últimos anos no Canadá, e ele e Becky acabaram voltando a ficar algumas vezes. Quando ele contou a Orion, a tensão do sétimo ano em Hogwarts voltou, mas passou rapidamente e foi o que fez Becky e Orion voltarem a namorar, mais ou menos na mesma época em que descobriam que Jess estava grávida de June, a qual Becky viria a ser madrinha.
      O namoro continuou firme, mesmo que Orion tenha a traído nesse meio tempo. Em dezembro de 2012, descobriu que estava grávida, graças ao incidente Firewhisky. Surtou de início e quando estava acostumada com a idéia, descobriu que eram gêmeos, o que fez com que ela surtasse mais ainda. No entanto, teve uma gravidez tranquila, com Jess sendo sua obstetriz e Orion e Britt realizando praticamente todas as suas vontades. Isabel também engravidou na mesma época e pelo mesmo motivo de Becky.
      As crianças, Lyra e Arcturus Elvendork, nasceram nas férias de verão entre o terceiro e quarto ano de faculdade dos pais, numa casa de verão da família de Orion, onde um ano atrás June havia nascido. Apesar de pensar seriamente em trancar a faculdade por um tempo para cuidar dos filhos, mudou de idéia graças a Orion e voltou normalmente. Ficou o ano letivo inteiro morando meio na Phenomena meio na Dandelion, já que nem ela nem Orion estavam dispostos a abandonar suas fraternidades, por mais que Becky agora estivesse apenas com Lia, que entrara um ano antes, na Phenomena. Se formou com notas boas, mas bem abaixo das que costumava tirar antes, quando seu tempo era destinado apenas à faculdade.
      Orion terminou a faculdade junto com ela, e então foram morar no terreno que ele herdara com a morte do pai, numa grande casa onde James, Jess e Isabel já estavam morando enquanto construiam as próprias casas. Com o passar dos tempos, mais de seus amigos do mesmo círculo desde Hogwarts começaram a construir suas casas ali quando iam formando suas famílias, e logo o terreno virou uma pequena vila, conhecida como Pyxis. Como as crianças foram se acumulando, não demorou para que o terreno da vila fosse modificado e ela começasse a ter diversas formas de diversão.
      Mesmo que morassem juntos e já tivessem seus filhos, Becky e Orion demoraram a se casar - inteiramente por culpa dele. Quando ele enfim a propôs em casamento, Becky começou a organizar as coisas no próximo dia, para garantir que ele não a enrolasse ainda mais.
      Logo que saiu da faculdade, Becky foi convidada por um de seus professores, Spyllart, nascido trouxa, a participar do início de uma pesquisa que ele organizava, sobre a mistura da veterinária bruxa e trouxa. Becky topou na hora e alguns meses depois, a Médica-veterinária Yannis Gyllister, trouxa que sabia da existência do mundo bruxo por possuir um filho com dons mágicos, se unia à pesquisa. Becky chegou até mesmo a se formar numa universidade trouxa de veterinária, embora admita que tenha usado o confundus mais vezes naqueles cinco anos que em toda a sua vida, tanto para disfarçar sua falta de conhecimento do mundo trouxa atual quanto para passar em matérias que não a interessavam ou fazer aparecerem mais presenças na lista de chamada do que tinha realmente estado lá. Apesar disso, tentava ficar o máximo que podia com os filhos, indo pra faculdade pela manhã, a qual eles dormiam metade do tempo, voltando pra casa pra ficar com eles a tarde e fazendo os estudos durante a noite, após eles dormirem, até a hora em que ela mesma ia dormir. Após o primeiro ano de pesquisa, outras pessoas entraram nela, tanto bruxos formados em veterinária quanto muitos universitários, que serviam de estagiários, aliviando bastante o trabalho.
      Seis anos depois, a pesquisa estava parcialmente concluída e boa o bastante para ser apresentada à comunidade bruxa, envolvendo máquinas trouxas modificadas para funcionar por magia, remédios em poções, diversos feitiços de cura para animais não-fantásticos ou semi-fantásticos, como gatos e corujas. Logo as Universidades bruxas começaram a mudar suas grades e introduzir a nova matéria em seus cursos de veterinária e os responsáveis pela pesquisa foram convocados para lecionar. Becky decidiu aceitar a proposta de CLAN graças ao amor que sente pela universidade na qual se formou, dizendo às outras universidades que quando seus filhos entrassem para Hogwarts e ela tivesse mais tempo, repensaria nas propostas. Assim que os gêmeos foram para o castelo, Becky aceitou o pedido de Sileas, tentada especialmente por causa da reserva existente em Faoinrún. Ainda está envolvida com a pesquisa, já que como os trouxas sempre criam uma nova tecnologia, ela sempre é estudada e adaptada ao mundo bruxo.
      Além disso, nesse meio tempo começou a recolher animais feridos que encontrava nas ruas ou nas reservas ambientais que visitava. Rapidamente, não havia mais lugar para deixá-los na própria casa, e por isso resolveu abrir na Pyxis um abrigo e centro de adoção de animais, que hoje é consideravelmente conhecido pela comunidade bruxa. Geralmente possui apenas animais domésticos, especialmente cachorros, gatos e corujas, mas no último ano começou a abrigar um filhote de hipogrifo, o qual a mãe morrera no parto e não foi recolhido por nenhuma outra hipogrifa. Becky tinha a opção de deixá-lo na reserva de Faoirún, mas como ficou com medo do filhote ser morto, levou-o para a vila e cuidou dele até que ele crescesse, sempre tomando cuidado para que as crianças não se aproximassem de modo indevido. Hoje em dia o hipogrifo é bastante querido por ela, e foi nomeado Pinguim por Georgia, filha de Brittany e sua afilhada, que associou o fato do hipogrifo não saber voar por não ter tido quem o ensinar com as aves trouxas que também não voam. Apesar do nome ser meio idiota, achou bonitinho a afilhada ter prestado atenção no que lhe ensinara e resolveu deixar isso mesmo. O abrigo também funciona como uma pequena clínica para animais feridos, e muitos dos seus estudantes em LanDorie e Faoirún trabalham lá como estagiários.



APARÊNCIA
    Altura: 1,65m
    Peso: 54kg
    Físico: Naturalmente, seus cabelos são extremamente loiros e lisos, mas ela começou a pintá-los em tons de castanho ou preto com 16 anos e nunca mais voltou ao loiro. Tem os olhos num tom de verde, que às vezes puxam para um acinzentado. Sua pele é branca, normalmente com um leve bronzeado, dando um bonito e leve contraste com seus olhos. Sua boca é rosada e levemente carnuda, e, quando sorri, covinhas se formam em suas bochechas, assim como as maçãs de seu rosto ficam bastante aparentes. Seu rosto também possui uma pinta aparente abaixo da boca, ao canto. Não é muito alta, tendo apenas 1,65m. O corpo é magro, pequeno, fino, embora tonificado e definido pelos anos e anos seguidos de esportes, e tem uma senhora de uma bunda. Apesar de estar mais velha, continua com um físico impecável e mesmo em seu rosto poucas marcas foram criadas, por ser meio paranóica com isso e estar sempre atrás de feitiços, poções e até mesmo remédios trouxas contra o envelhecimento.
    Vestuário: Normalmente, usa roupas trouxas e de forma bem simples. No entanto, nem sempre está de calça jeans e camiseta, e sim um vestido leve e rasteiras – quando o frio permite. A maioria de suas roupas possuem tons claros ou neutros. Quando não sente muita vontade de arrumar o cabelo, é normal vê-la com um chapéu ou coisa do tipo. Usa óculos e bolsas maiores que seu rosto ou braços. Como sempre está fazendo alguma coisa ou algum esporte, também é normal encontrá-la em roupas próprias para exercícios físicos. Aliás, muito normal. Em casa, gosta de usar as roupas mais velhas possíveis de seu pai ou que roubou de Orion. A não ser quando está em casa ou correndo, muito raramente é vista sem um salto alto.
    Outros: Não possui.
    Personalidade usada: Rachel McAdams


PERSONALIDADE
    Extrovertida, adora conhecer todo tipo de pessoa, e raramente as julga. Nunca realmente vê o lado ruim das coisas. É bastante simpática, na maioria das vezes, e raramente se estressa. Mas, se ela chegar a se estressar, pode ter certeza que ninguém dura por muito tempo. Por mais que houvesse crescido numa família com um bom nível de vida social, sempre fora obrigada a correr atrás do que queria, a transformando em alguém bastante persistente. Nunca desiste, não importa o que acontecer. Bastante independente – na verdade, odeia quando as pessoas tentam fazer algo por ela, e pior ainda quando alguém faz algo que ela deveria estar fazendo. Sempre está com ânimo pra fazer o que for. Precisa sempre gastar suas energias ou fica meio louca – o que geralmente ocorre todo inverno quando ela não consegue mais correr ao ar livre. É atenciosa, normalmente disposta a ajudar os outros. É uma ótima ouvinte e gosta de dar palpite em tudo, além de ser bastante curiosa, o que faz com que ela seja confidente de várias das crianças da Pyxis, especialmente de June.



IDIOMAS
    • Inglês Britânico;
    • Irlandês (aprendeu com a mãe e estudou em escolas trouxas bilíngües)


ANOTAÇÕES DIVERSAS
    • Começou a fazer exercícios físicos – em especial corrida – ainda pequena, devido a uma bulimia nervosa que mais tarde se tornou psicológica. Em seu terceiro ano em Hogwarts teve breve problemas com anorexia e bulimia. Apesar de hoje em dia se focar em manter o peso mais por exercícios, é normal que simplesmente esqueça de comer ou que vomite tudo o que comeu quando está ansiosa, nervosa ou triste.
    • Detesta quando a chama de Rebecca. Desde que se conhece por gente, todo mundo a trata por Becky. Na maioria das vezes ela nem ao menos responde caso a chamem de Rebecca. Em outras vezes, fica bastante ofendida.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
ELVENDORK, Rebecca
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Quanto vale 300 mil dólares? - Sköll e Rebecca

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Wizard Kids :: Isis-
Ir para: